terça-feira, 17 de março de 2009

In memoriam

Hoje vim aqui ligar a Internerds para entorpecer um pouco meu cérebro e descubro que o maior ícone tupiniquim da pederastia televisiva foi pro saco! Já era, vestiu o paletó de madeira, foi ver a grama crescer do outro lado; faleceu, morreu... enfim, como preferirem. Clodovil est mort, mesdames et messieurs. E não virou purpurina.

Senti-me na obrigação, como grande poeta e homem sensível das letras que sou, quase um Victor Hugo brasileiro, de escrever um sonetinho In memoriam, um requiem poético para esse grande ícone que nos deixará saudade. Segue o poema:

O seu Clodovil morreu!
Morreu o seu Clodovil!
(Antes ele do que eu.
Foi pra puta que pariu.)

Morreu Clodovil Hernandes:
Com o seu corpo sem vida
Vão fazer carne moída
E distribuir nos Andes.

Vai feder no seu esquife,
Virar comida de verme,
Nunca mais abrir o olho.

(Também vou querer um bife
Feito do seu corpo inerme
E cozinhar com repolho.)


-x-

Vai-te em paz, Clô, velho saravá!

2 comentários:

R.R. disse...

Tava chapadão hein, Castor?

Jejuno disse...

O poema é ótimo.

Aliás, Clodovil declarou certa vez, já velho, que nunca fez sexo sem pagar.

Site Meter